Ricardo Semler: ‘A educação brasileira está obsoleta’

10 outubro 2014 BBC

Ricardo Semler ganhou projeção no mundo empresarial ao fazer da sua companhia, a Semco, um laboratório de experiências em democracia na gestão de negócios, tornando-se uma referência em inovação.

Na Semco, uma fabricante de máquinas industriais, não há departamento de recursos humanos ou sequer uma sede.

Os funcionários escolhem seus chefes, decidem o quanto ganham e quando irão trabalhar.

Reuniões são voluntárias, e dois assentos do conselho da companhia são reservados para os primeiros empregados que comparecerem à reunião.

Todos os salários são públicos assim como as finanças da companhia.

Mais recentemente, ele levou este pensamento para a educação com a escola Lumiar, que funciona no interior de São Paulo e é mantida pela fundação criada por Semler.

Na Lumiar, os alunos e professores tomam as decisões mais importantes em conjunto, do que será servido no lanche ao conteúdo que será lecionado em cada bimestre.

Em 2007, a Lumiar foi eleita pela Microsoft e pela Universidade de Stanford como uma das 12 mais inovadoras do mundo.

Este histórico lhe rendeu um convite para dar uma palestra no TED Global, conferência de ideias e projetos inovadores em curso no Rio de Janeiro.

A BBC Brasil conversou com exclusividade com Semler durante o evento.

A seguir, ele explica por que considera o modelo educacional no Brasil obsoleto.

Também afirma que o empresariado brasileiro precisa se renovar e abandonar modelos que estão ultrapassados.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *