Professor cria plataforma para celular e muda visão de alunos sobre filosofia

G1 – 25/04/2014 

Sistema foi feito com a ajuda de estudantes de uma escola pública de Goiás.
Resultado rápido surpreendeu a instituição, que pretende ampliar o projeto. 

Pelo celular, alunos aprendem filosofia no Colégio Estadual Dr. Negreiros, em Nerópolis, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Pelo celular, alunos aprendem filosofia em escola pública de Nerópolis (Foto: Paula Resende/ G1)

A relação entre um professor com ânsia de mudança no sistema de educação e alunos dispostos a ajudar revolucionou as aulas de filosofia de uma escola pública de Nerópolis, na Região Metropolitana de Goiânia. Juntos, eles desenvolveram uma plataforma virtual para estudar a disciplina. Acessado por computador ou de qualquer aparelho de celular com acesso à internet, o sistema trouxe resultados surpreendentes e foi a solução para evitar o uso indevido de telefone na sala de aula. “Não tinha interesse nenhum pela filosofia. Mudou completamente minha visão e fez com que eu passasse a ver o mundo com outros olhos”, afirma o estudante Josué Ricardo Ferreira Gomes, de 17 anos.

Formado em filosofia, biologia, teologia e com especialização em direitos humanos, Gilberto Ramos Ribeiro, 39, é professor há quatro anos. Mesmo quando não lecionava, sonhava em mudar a forma de ensino. “A escola ainda é a mesma de 80 anos atrás. Essa concepção de escola cerceadora e arcaica me atormentava. Sabia que podia mudar isso”, afirma.

Um passo para essa mudança foi o desenvolvimento da plataforma. No site, os alunos são registrados e têm acesso ao tema de cada aula com antecedência. O professor disponibiliza textos e, ao final da leitura, os estudantes têm que responder um teste, que tem um tempo limite para ser feito, conforme a quantidade de perguntas. Às vezes, as respostas são objetivas e outras, dissertativas.

“Avalio o aluno por ali também. Extraclasse, ele tem que ler e responder às questões para ganhar nota. O dispositivo acusa quem fez ou não, por isso é exclusivo dos nossos alunos. Depois, em sala de aula, a gente discute o tema e faz outras atividades. Temos uma aula presencial por semana. Com o sistema, o tempo de estudo de filosofia quase triplicou”, explica Gilberto.

Mas, antes de desenvolver a plataforma, o professor tinha feito outras tentativas de usar a tecnologia a favor do aprendizado. A primeira delas foi a criação de uma página no Facebook. “Deu certo no começo, mas já não era o suficiente e lá os alunos misturavam com a vida pessoal. Assim não serve para o estudo”, afirmou.

No início deste ano, ele se mudou de Jaraguá (GO) para Nerópolis e passou a dar aulas de filosofia, biologia e espanhol no Colégio Estadual Dr. Negreiros. Foi onde ele teve a ideia de criar o sistema online.

Buscando práticas de educação que deram certo, Gilberto leu sobre uma plataforma criada por uma professora de uma escola particular do Rio de Janeiro: “Vi que se fizesse aqui poderia dar certo. Busquei a secretaria de educação, mas o processo é demorado, disseram que sairia caro e é um processo. Apesar do apoio moral, eu queria rapidez, queria isso o mais rápido possível”.

Iniciativa
A solução veio dos próprios alunos. Gilberto contou sobre a ideia em sala de aula e eles de dispuseram a ajudar. “Só estava esperando a oportunidade e a escola proporcionou isso. Consegui alunos que tinham capacidade para isso e se interessaram. Eles tomaram a iniciativa”, ressalta o professor.

Um dos quatro adolescentes que ajudaram a construir a plataforma, Cassiano Henrique Figueiredo Lima, de 16 anos, explica que eles gostam de computação, mas ninguém possui formação da área. “Cada um fez um pouco. A gente fez uma vaquinha de R$ 50 para pagar a hospedagem do site, o provedor”, diz o aluno. Em duas semanas, o sistema estava pronto.

Matheus foi o primeiro a acessar a plataforma desenvolvida em colégio de Nerópolis, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Matheus foi o primeiro a acessar a plataforma
(Foto: Paula Resende/ G1)

Alunos interessados
A plataforma é direcionada aos cerca de 200 alunos que cursam o 3º ano do ensino médio, que se preparam para o vestibular. A coordenação do Dr. Negreiros se certificou que todos tinham acesso à internet. “Muitos não têm computador em casa, mas vimos que todos do 3º ano acessavam a internet pelo celular. Só uma aluna que não tem aparelho com essa capacidade, mas ela entra na plataforma com um colega ou pega o celular das professoras”, explica a coordenadora pedagógica da escola, Maria Helena Rodrigues.

Primeiro a acessar a plataforma, o aluno Matheus Alves dos Santos, de 19 anos, é surdo, o que, para a coordenação do colégio, mostra a inclusão do projeto. Para Gilberto, o adolescente e os demais estudantes mudaram completamente a postura e a dedicação com o uso do dispositivo.

“Eles estão mais motivados, envolvidos, atentos. Filosofia era a matéria mais crítica, achavam chato, agora, falam no dia a dia de Immanuel Kant, Nietzsche e René Descartes. Eles passaram a acertar as questões brilhantemente. Tem que investir em tecnologia. O livro tem que ser adaptado ao aluno”.

O sistema também facilitou a vida do professor. “Não preciso implorar mais para eles estudarem. A aula é um grande debate filosófico. Facilitou a minha vida. Não perco tempo escrevendo as coisas no quadro ou dependendo de xerox”, relatou.

Alunos aprendem filosofia pelo celular e livros no Colégio Estadual Dr. Negreiros, em Nerópolis, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Alunos vão além do livro e estudam pelo celular (Foto: Paula Resende/ G1)

De problema a solução
O uso de celular em classe era um problema para a escola, pois os alunos acessavam as redes sociais ou assistiam a vídeos durante as aulas. Com a plataforma, o que era motivo de preocupação, se transformou em solução para incentivar o aprendizado. “O celular era um problema, os alunos não sabiam usar a favor deles. Desde que haja planejamento prévio, os professores têm usado o aparelho em aulas”, afirma a coordenadora pedagógica.

Trabalhando há 20 anos na unidade, a coordenadora conta que eles se surpreenderam com a rapidez do resultado. “Não tínhamos pensado que seria tão imediato o resultado. Tem facilitado, os alunos chegam na sala de aula com conhecimento prévio e também buscam além do que foi proposto”, explicou.

Estudantes acessam ao sistema dentro e fora de sala de aula de escola em Nerópolis, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Estudantes acessam o sistema dentro e fora de sala
de aula (Foto: Paula Resende/ G1)

Para expandir o projeto, o professor já pediu à Secretaria Estadual de Educação que um técnico de informática ajude a desenvolver o site, adicionando mais aplicativos e tornando-o mais prático. “O site é muito básico ainda. Precisamos de um profissional da área de tecnologia para fazê-lo crescer”.

Gilberto acredita que no próximo semestre já será possível adicionar à plataforma o conteúdo das outras matérias que leciona. “Os próprios alunos querem. É o interesse pelo novo e atual. Alguns professores também já vieram falar comigo”.

Apesar de ser direcionada aos alunos do 3º ano, a página deve ser expandida a todos os estudantes. “A intenção é expandir para toda a escola. Estamos vendo pelo trabalho do professor que este é o caminho”, afirmou a coordenadora pedagógica.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *