Abril Educação ganha novo nome e redefine sua estratégia

Lucas Amorin – da Revista Exame

São Paulo — Em fevereiro, o fundo de investimentos Tarpon comprou o controle da Abril Educação, empresa especializada em educação básica do grupo Abril. Agora, a Tarpon apresenta o novo nome da companhia: Somos Educação.

Em entrevista exclusiva, Eduardo Mufarej, presidente da empresa, conta como chegou ao novo nome, e o que muda na estratégia da companhia.

Por que a marca mudou?
Quando compramos a companhia, tínhamos o direito de continuar com a marca Abril por um período. Foram seis meses de trabalho e de pesquisas até chegar à nova identidade, num trabalho em parceria com o publicitário Nizan Guanaes. Nossa nova marca é Somos Educação.

A ideia era ter uma marca inclusiva, mas que permita que as outras marcas do grupo tenham vida própria. A empresa tem operaçãoes muito distintas, que vão de produção de conteúdo editorial a gestão de escolas. E muitas de nossas marcas são muito tradicionais. A Anglo, de sistemas de ensino, faz 65 anos neste ano. A editora Ática faz 50. Elas vão continuar mais fortes do que nunca.

Com essa nova marca, a estratégia da empresa muda?
Tem uma emancipação de um grupo que nos dava credibilidade e estrutura. É como um adolescente que encontrou a maturidade. Mas nem tudo já está completamente separado. Os sistemas e a área de recursos humanos ainda vão continuar juntos, mas vão se separar nos próximos 15 meses. A grande questão é encontrar rapidamente nossa nova identidade.

O perfil de pessoas que trabalham na empresa vai mudar?
O setor de educação tem muito potencial para atrair gente boa, gente idealista – principalmente a educação básica, que é onde atuamos. Tem muita coisa para mudar. Descobrimos, por exemplo que o pai dos alunos em geral não sabe nem em que série seus filhos estudam. Por isso, estamos desenvolvendo aplicativos que aumentem o engajamento dos pais com as escolas e os professores.

A Abril Educação cresceu com muitas aquisições – a última delas da Saraiva, no início do mês. Qual é a estratégia de expansão agora?
Vamos continuar a crescer com ambição, tanto por conta própria, quanto com aquisições. A compra da Saraiva, quando aprovada, vai nos exigir um desafio de integração por pelo menos um ano. E vamos precisar também aprender a atuar no mercado em que eles são fortes, e que não conhecíamos – o de material para ensino técnico e profissionalizante.

Enquanto isso, vamos continuar crescendo em outros setores. No ano passado abrimos duas escolas. Neste ano, já serão seis. Só esperamos que as condições econômicas não piorem a ponto de fazer os pais não conseguirem pagar as mensalidades.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *