Tecnologias ajudam na inclusão social de deficientes auditivos

G1 – 25/04/2013 

Canal F mostrou o aplicativo brasileiro ‘Hand Talk’, que foi vencedor do WSA-MOBILE, evento organizado pela ONU.

 

Canal F mostrou o aplicativo brasileiro ‘Hand Talk’, que foi vencedor do WSA-MOBILE, evento organizado pela ONU, em Abu Dhabi. O projeto converte textos, imagens e áudios para LIBRAS, a Língua Brasileira de Sinais.  O Canal F foi atrás de outras tecnologias que também ajudam no processo de inclusão social dos surdos.

Confira as dicas do coordenador regional de acessibilidade da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos, a Feneis, e mestre em Ciência da Computação, Marcelo Amorim:

ProDeaf
“É uma solução que visa garantir uma comunicação fluente, em tempo real, entre surdos e ouvintes, a qualquer hora e em qualquer lugar. O sistema basicamente converte o som falado em língua de sinais e vice-versa. Ou seja, o deficiente auditivo entenderá tudo que o ouvinte falar, pois sua voz será convertida para a língua de sinais. O caminho inverso também é válido, o ouvinte não precisará aprender a língua de sinais para entender o deficiente auditivo, pois tudo que o surdo gesticular será traduzido para fala, em qualquer idioma. O ProDeaf é desenvolvido com por linguistas e surdos seguindo as regras gramaticais de Libras e já conta com uma base de mais de 3000 sinais. Assista o vídeo no YouTube”.

FoneFácil
“A mídia é um serviço de reconhecimento de voz que converte automática a fala em texto escrito em português e vice-versa, através de um smartphone. O usuário surdo digita a mensagem que deseja transmitir, via FoneFácil, em língua portuguesa, e o servidor do aplicativo converte o texto em voz, permitindo ao outro usuário escutar o conteúdo da mensagem. Do mesmo modo o usuário ouvinte responde via voz, o servidor reconhece o som e converte para texto em língua portuguesa, para que o surdo leia o conteúdo ditado pela pessoa do outro lado. Este aplicativo pode ser solicitado entrando em contato com a empresaBrava Autonomia.”

Rybená
“É um serviço de tradução automática – Português -> Libras –, que segue algumas vezes as regras gramaticais, facilitando a compreensão dos conteúdos em texto das páginas web.O sistema não tem restrição de idade para sua utilização, o que irá definir este quesito é a classificação etária da página acessada. Para usar o serviço, basta solicitar à empresa que desenvolve o Rybená, o Grupo ICTS”.

iLIBRAS
“A tecnologia prevê a intermediação comunicacional, realizado através de canais de atendimento: mensagens de texto via e-mail, via chat on-line e via celular. As mensagens são recebidas por uma central de intérpretes capacitados para atender às demandas específicas. Deste modo, cada um desses profissionais abre uma chamada para o usuário surdo solicitante. O cadastro do usuário surdo é realizado aqui. Em seguida é necessário optar por um plano a escolha. Não há restrição de faixa etária e seu uso é um grande facilitador na comunicação e prestação de serviços entre pessoas surdas e ouvintes”.

ViavelBrasil
“O serviço é intermediado por uma central de intérpretes, através do VPAD, aparelho de videoconferência, criado pela empresa. Com esta tecnologia o usuário surdo faz uma chamada para a central, via vídeo, em Libras. As ligações solicitadas podem ser feitas para telefone fixo e/ou celular. Em Libras, o usuário surdo sinaliza para o intérprete enquanto este transmite o conteúdo sinalizado, através da fala, para a pessoa a quem se destina a mensagem. Para adquirir o produto basta acessar aqui”.

O Instituto Nacional de Educação de Surdos – INES também falou das tecnologias de inclusão. “Para o público em geral, é possível acessar um Dicionário de Língua Brasileira de Sinais por aqui. Lembramos ainda que e-mails, torpedos, SMS, redes sociais (Facebook, Twitter), comunicação por vídeo (Viavel Brasil, Skype, FaceTime) são ferramentas hoje utilizadas também por milhares de surdos brasileiros, garantindo acessibilidade em vários níveis e proporcionando contato entre surdos e entre surdos e ouvintes”.

O Instituto ainda adiantou um novo projeto: “teremos uma TV Web, criada pelo INES – a TV INES – voltada para as comunidades surdas do Brasil, com programação variada, para todos os públicos, que irá ao ar no mês de abril”.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *