Supremo faz audiência para discutir polêmica sobre racismo na obra de Monteiro Lobato

Supremo faz audiência para discutir polêmica sobre racismo na obra de Monteiro Lobato

Aline Leal Valcarenghi – Agência Brasil – Brasília, DF

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai realizar no dia 11/09 uma audiência de conciliação para discutir a adoção de livros de Monteiro Lobato pela rede pública de ensino. O caso chegou ao STF por meio de um mandado de segurança apresentado pelo Instituto de Advocacia Racial (Iara) e pelo técnico em gestão educacional Antônio Gomes da Costa Neto. Ambos afirmam que a obra de Monteiro Lobato tem “elementos racistas”.

Em 2010, o Conselho Nacional de Educação (CNE) determinou que a obra Caçadas de Pedrinho não fosse mais distribuída às escolas públicas por considerar que ela apresentava conteúdo racista. O conselho apresentava trechos da obra para justificar o veto à obra: “Tia Nastácia, esquecida dos seus numerosos reumatismos, trepou, que nem uma macaca de carvão.”

Em seguida, o Ministério da Educação (MEC) recomendou que o CNE reconsiderasse a determinação. O conselho decidiu então anular o veto e indicar que as próximas edições do livro viessem acompanhadas de uma nota técnica que instruísse o professor a contextualizar a obra ao momento histórico em que ela foi escrita.

Com o mandado de segurança, o Iara pretende anular a última decisão do CNE. Eles pedem ainda a “imediata formação e capacitação de educadores” para que a obra seja utilizada “de forma adequada na educação básica”. No mandado de segurança, eles afirmam que o livro Caçadas de Pedrinho é utilizado como “paradigma” e que essas regras devem nortear a aquisição, pela rede pública de ensino, de qualquer livro literário ou didático que contenham “qualquer forma de expressão de racismo cultural, institucional e individual”.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

One Comment to “Supremo faz audiência para discutir polêmica sobre racismo na obra de Monteiro Lobato”

  1. O racismo não nasceu dos livros e sim das pessoas.Os colonizadores quando adentraram em terras brasileiras,mostraram ignorancia total quando depararam-se com os nativos considerando-os seres irracionais.
    O escravo, para satisfazer a mão de obra nas lavouras e trabalhos braçais,por ignorancia, foram maltratados e não reconhecidos como seres racionais.Desculpa-me esta Instituição ,também ignorantes intelectuais.Não foi o ilustre Sr. Monteiro Lobato que acirrou o estigma racista.Ele apenas avivou a memória de pessoas que gostaram de ler “As aventuras de Pedrinho”,”as Caçadas de Pedrinho” e sua turma,não para ‘ativar o racismo’ e sim para mostrar que o racismo existe e existiu e continuará existindo.
    Desculpem-me mais uma vez,tenho a ligeira impressão de que racistas são voces que estão tão preocupados com o “defunto” Monteiro Lobato ao invés de se preocuparem com os pobres,crianças e adolescentes que estão sem incentivo para a leitura, face à bagunça na educação brasileira com péssimas gestões,péssimos diretores escolares,péssima preocupação dos órgãos governamentais em incentivar verdadeiramente as nossas crianças,dando ênfase a todos os setores culturais.E dando mal exemplo, tipo esse “mensalão” vergonhoso.Tirando da boca dessas crianças o direito de um futuro melhor.Sem racismo,sem fome e com expectativas na saúde e na educação para todos esses cidadãos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *