O melhor ensino do Brasil. A receita que vem do sertão cearense

O Povo – Thaís Brito

ENVIADA A BREJO SANTO

Brejo Santo ainda não tinha prêmio nacional de destaque à educação quando Talita de Holanda, 28, chegou com a família para ficar temporariamente. Ainda assim, ela sabia da fama do ensino público da Cidade. De Fortaleza, o marido foi transferido para lá. Os dois filhos são parte do novo público das escolas do município: famílias que chegam para trabalhar nas obras da transposição do São Francisco ou da ferrovia Transnordestina.

Em janeiro, Talita matriculou Joel, 12, e Jair Carlos, 7, na escola Padre Pedro Inácio Ribeiro. Já em maio comemora a decisão. Conta que o caçula está superando a dificuldade com leitura. No ano anterior, o sentimento era de impotência, mesmo acompanhando de perto e apostando na escola particular na Capital. “Achava que ele ia precisar de ajuda psicológica”. Para ela, uma diferença é o esforço da escola em envolver os pais. “Eu não quero faltar reunião, eles ligam pra quem não vem”.

Quando as cidades brasileiras são comparadas pela combinação de renda, longevidade e educação, Brejo Santo está na parte de baixo da lista, na posição de número 3.172 entre 5.565 municípios. O município da região do Cariri não se destaca no ranking do Desenvolvimento Humano no Brasil, de 2013. Mas, isolando o parâmetro educação, o jogo vira. A cidade recebe representantes de outras regiões do País para mostrar o que fez para conquistar o prêmio do Instituto Alfa e Beto (IAB) como melhor gestão na educação básica no Brasil.

As respostas podem ser mais simples do que se espera. No Ensino Fundamental, meninos do 3° ano brincam no tapete enfeitado de formas e cores. Peça feita à mão. É assim que eles revisam a Matemática ensinada no dia anterior. Também no chão, está a roda de leitura, onde alunos do 2° ano contam histórias dos livros levados para casa. Vitória, 14 anos, diz que prefere as aulas de História: “A professora faz dinâmicas e tem jeito bom de explicar”.

Desde 2010, quem conclui o 9° ano na escola Afonso Tavares de Luna, no Sítio Timbaúba, já pode chegar ao Ensino Médio depois de uma noite de autógrafos. O projeto Amantes da Leitura publica textos dos alunos da zona rural. As orientações permitem ver a evolução de quem participa, garante o professor Hidelberto Barreto.

Experiências assim são apresentadas a representantes de outras regiões do Brasil. Projetos específicos de cada escola e a unificação da grade curricular em rede ajudaram Brejo Santo a superar as médias nacionais no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), do Ministério da Educação. A evolução rendeu o título de Prefeito Nota 10 para Guilherme Landim. Ao comemorar os resultados da luta iniciada em 2009, os educadores prometem manter o rumo certo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *