MEC diz que vai reformular cursos de jovens e adultos

Globo Online – DEMÉTRIO WEBER 

  • Para despertar o interesse dos alunos, formação profissional começará no início das aulas

BRASÍLIA — O MEC decidiu reformular o curso de ensino médio para jovens e adultos, o Proeja, para combater a evasão nesse segmento dos institutos federais. O secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Marco Antonio de Oliveira, diz que haverá mudanças em três frentes.

A primeira dará ênfase à formação profissional no início do curso, invertendo a lógica atual em que as aulas começam pelas disciplinas tradicionais de ensino médio. Com isso, o secretário espera mais interesse dos alunos. Outra medida será permitir que os estudantes façam cursos técnicos de nível médio por etapas, somando a carga horária de cursos profissionalizantes mais curtos. Profissionais que já dominam um ofício — eletricistas, por exemplo —farão um teste e, se aprovados, poderão diminuir o número de disciplinas necessárias para obter o diploma.

Para o secretário, a evasão só é problema nos cursos de Proeja, devido ao histórico de insucesso escolar de quem abandonou a escola e tenta voltar a estudar, e nas turmas de nível médio subsequente, destinadas a quem concluiu o ensino médio e busca formação profissional. No caso dos subsequentes, ele afirma que o aquecimento do mercado é decisivo para o abandono. O raciocínio é que os alunos desistiriam do curso ao conseguirem emprego:

— Pelos dados do TCU, avaliamos que as taxas de evasão são discretas. O problema está nas áreas em que historicamente a evasão já constitui um desafio.

Ele observou que as taxas de abandono nos cursos técnicos integrados e nos superiores de tecnologia, bacharelado e licenciatura são de um dígito e, no caso dos bacharelados, estariam abaixo dos índices observados em universidades.

Marco Antonio admitiu que os institutos têm déficit de professores e técnicos, mas disse que o problema resulta da rápida expansão. Segundo o MEC, o número de professores cresceu 76,4% de 2008 a 2012, passando de 17.272 para 30.462, enquanto o de técnicos administrativos aumentou 60% no período. A previsão para 2014 é chegar a 48.562 professores e 43.725 técnicos. Segundo ele, já está autorizada a contratação de 8 mil docentes e de 6 mil técnicos. As vagas serão distribuídas entre os institutos, que realizarão concurso e contratarão os profissionais a partir deste ano.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *