Falta de professores de matemática interfere no rendimento, afirma especialista da Unesp

Do UOL, em São Paulo – 02/04/2013

Há muitos professores de matemática no ensino fundamental que não são formados na área e isso interfere no rendimento dos alunos. É o que diz o especialista em educação da Unesp em Araraquara Claudio Gomide, na edição desta terça-feira (2) do Podcast da Unesp.

“Se você for verificar, vai ver um percentual muito grande de professores de matemática que não são professores de matemática. São engenheiros, de outras profissões, que assumem porque não há quadro de professor”, disse o docente.

Para ele, mesmo que os dados do levantamento da ONG Todos Pela Educaçãosejam especificamente da área, eles refletem a realidade do Brasil. “É evidente que estamos falando especificamente de matemática, mas esse é um indicador geral do problema da qualidade do ensino do país”.

A “matemática de Cingapura” facilita o ensino em escolas dos EUA

A “Matemática de Cingapura”, um método cada vez mais usado para ensinar Matemática, enfatiza apoio visual e o apredizado lento, com os alunos de jardim de infância passando uma semana estudando os números 1 e 2, por exemplo Angel Franco/The New York Times

O estudo apontou que o percentual de estudantes com rendimento adequado em matemática na rede pública do país cai ao longo dos anos do ensino fundamental.

“Se você quer melhorar a educação básica no Brasil, você precisa de escolas em tempo integral, com professores bem formados, regime de trabalho, plano de carreira e condições salariais adequados”, afirma.

Gomide acredita ainda que, com esse panorama, o país está perdendo na qualidade de sua mão de obra e no aumento do nível de cidadania das pessoas.

Com informação do Podcast da Unesp

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *