Falta capacitação a professores para usar o software livre nas escolas

 Terra Educação – 18/06/13

Especialistas afirmam que os professores precisam aprender a usar o software livre como uma ferramenta pedagócia

 

A tecnologia ainda não é usada de forma pedagógica por boa parte dos professores Foto: Getty Images

A tecnologia ainda não é usada de forma pedagógica por boa parte dos professores

Foto: Getty Images

Vai além da infraestrutura o avanço das escolas públicas brasileiras na área da tecnologia. Às vésperas da 14ª edição do Fórum Internacional Software Livre (FISL), que ocorrerá entre 3 e 6 de julho, em Porto Alegre (RS), o Grupo de Trabalho (GT) focado em educação chama a atenção para a falta de capacitação dos professores.

É o terceiro ano consecutivo da realização do GT, que tem o objetivo de aproximar escola e software livre. Integrante do grupo e criador do sistema Pandorga Linux (sistema Linux com softwares pedagógicos que podem ser usados pelas crianças nas escolas ou em casa), Rainer Krüger acredita que o grande desafio no setor é a capacitação de professores. “A dificuldade não é ter software livre nas escolas, mas sim saber usá-lo como ferramenta pedagógica”, diz.

O governo espera que o simples fato de ter os equipamentos nas escolas fará com que eles sejam utilizados, mas falta a formação dos professores

Para Krüger, o uso do software livre vai muito além da questão técnica. “Nós buscamos estimular a liberdade de pensamento e a disseminação do conhecimento para todos os níveis escolares. Este GT mostra, de forma prática, como se pode construir qualquer conhecimento de forma democrática e aberta”. Enquanto o software proprietário tem a mesma visão da escola “antiga”, em que o aluno recebia tudo pronto e era passivo em relação à aprendizagem, o software livre coloca o aluno e o professor dentro do processo de criação, incentivando a troca de conhecimento e a construção participativa do conhecimento.

Krüger considera que, mesmo com as escolas razoavelmente equipadas em termos de tecnologia, faltam medidas preparatórias para os professores: “O governo espera que o simples fato de ter os equipamentos nas escolas fará com que eles sejam utilizados, mas falta a formação dos professores, um projeto pedagógico que inclua o uso dos ambientes, o suporte técnico e mesmo a participação da comunidade para tornar este processo efetivo”, analisa.

Segundo o último Censo Escolar, de 2012, no ensino fundamental da rede pública, 48,6% das escolas têm laboratório de informática, enquanto 45,8% contam com acesso à internet. A situação é melhor no ensino médio, onde 92,4% das escolas públicas possuem laboratórios de informática e 93% acesso à internet. Nos dois casos, há mais laboratórios de informática que bibliotecas.

A tecnologia está aí, é livre, mas precisa de pessoas capacitadas para saber usá-la

Coordenadora do GT Educação, Ana Cristina Matte também vê na atuação dos professores a chave no processo do uso de softwares livres no ensino: “A tecnologia está aí, é livre, mas precisa de pessoas capacitadas para saber usá-la”. Mais do que isso, Ana Cristina considera que o professor precisa ser sujeito ativo na produção dos softwares, pois eles podem adequar o ambiente online à necessidade local e, assim, resolver problemas específicos de cada região.

O GT também propõe uma aproximação entre especialistas. “O grupo de trabalho serve para professores entrarem em contato e trocarem experiências”, conta Ana Cristina. Além disso, o fórum focado na educação serve para dar visibilidade a projetos voltados para a área que antes, espalhados entre variados grupos de debate do FISL, não se integravam.

Projetos
Diversas iniciativas educativas nasceram no FISL, entre eles o projeto SL Educacional, que tem como finalidade traduzir, organizar e produzir documentação sobre softwares livres que possam ser utilizados na área educacional; o Instituto Paulo Freire, que usa prioritariamente softwares livres ou de código aberto em todas as suas atividades; a Rede de Intercâmbio de Produção Educativa, projeto de produção colaborativa e descentralizada de imagens e sons para a educação básica; e o projeto Recursos Educacionais Abertos Brasil, que tem como missão prover inovação em política pública de educação e na forma de pensar e garantir o acesso ao conhecimento necessário à educação de qualquer indivíduo.

A estas iniciativas, somam-se o grupo Texto Livre, coordenado por Ana Cristina, que tem como objetivo principal promover um campo de pesquisa e produção interdisciplinar no uso das tecnologias livres para o ensino; e o Pandorga Linux, de Krüger, sistema que pretende fazer do computador uma forte ferramenta para auxiliar no processo de aprendizagem da criança e já registrou mais de 30 mil downloads e uma comunidade de 4 mil membros, além de fazer parte do Portal do Software Público Brasileiro (ambiente de compartilhamento de softwares proporcionado pelo governo brasileiro que já conta com mais de 60 soluções voltadas para diversos setores). Novos projetos ainda vão se juntar a estes: conforme Krüger, pode faz parte do GT qualquer iniciativa que relacione software livre ou pensamento livre com educação.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *