Ensino híbrido não é panaceia

Folha de São Paulo

Quando a pandemia começou e as escolas fecharam, a palavra de ordem era a de que finalmente a escola se renderia à tecnologia. O Brasil tinha mais celulares do que habitantes, os alunos já estavam cheios das aulas tradicionais e iriam aprender pelo celular. Meses depois, virou senso comum a urgência de reabrir as escolas. Agora, o remédio para todos os males da educação é o ensino híbrido. De panaceia em panaceia, perdemos chances preciosas de investir na escola e na formação dos professores.

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandre-schneider/2021/08/ensino-hibrido-nao-e-panaceia.shtml?origin=uol

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *