Ensine e aprenda pelo Facebook

PORVIR – 01/04/13  – 

Quem pensa que o Facebook é um ambiente que serve apenas para publicar fotos, fazer amigos ou bisbilhotar a vida alheia terá que mudar de ideia. A rede social mais popular no mundo já é muito usada também para ensinar e aprender. Essas possibilidades são oferecidas pelo aplicativo Izzui, voltado 100% para educação no Facebook, que utiliza uma ferramenta consolidada no mercado de ensino a distância corporativo.

Funciona assim: qualquer usuário da rede social pode se cadastrar e escolher entre as opções “ensinar e “aprender”. Os transmissores de conhecimento, após darem um nome ao curso on-line que pretendem oferecer, têm acesso gratuito ao software QuickLessons, de criação de treinamentos a partir de templates. Para acessar o programa, só é preciso ter acesso à internet. Em troca, os autores devem publicar os cursos, que podem ser de graça ou não, no Izzui, para quem opta por aprender pela plataforma.

 

crédito peshkova / Fotolia.com

 

O aplicativo está disponível em versão definitiva há poucos meses, mas o QuickLessons, não. A ferramenta é comercializada desde 2007 pela empresa brasileira Affero, que surgiu da fusão de quatro startups do mercado de educação a distância. O software agora oferecido para qualquer pessoa que queira ensinar algo é o mesmo utilizado por grandes corporações no Brasil e em outros países – como a Sky, por exemplo, que produz 2.000 cursos por ano para seus funcionários – e foi desenvolvido para sistematizar a criação de treinamentos on-line a partir de boas práticas de design, programação e conteúdo.

“Nossa estratégia é criar uma comunidade de autores, para tornar a ferramenta relevante aos usuários. Para isso, estamos oferecendo suporte aos criadores de conteúdo”

“Fizemos um produto de sucesso para o mercado corporativo, mas em 2011 percebemos que estávamos deixando de lado os autores de conteúdo que querem desenvolver cursos on-line, mas não têm verba para produzir e não têm onde publicar esse conteúdo”, contou ao Porvir o diretor de Negócios do Izzui. Beto Lucena. A partir da premissa de que todo mundo tem alguma coisa para ensinar para alguém, a Affero criou, primeiro uma unidade de negócios a parte, que desde o ano passado virou uma nova empresa, detentora dos produtos QuickLessons e Izzui, com uma previsão de faturamento de R$ 2 milhões em 2013.

Nos 200 cursos já disponíveis no aplicativo no Facebook é fácil perceber essa filosofia. Entre os títulos há aulas com dicas como “Escolhendo a base perfeita”, “Como montar o cubo mágico em 7 passos”, “Receita de Tiramisu”, até conteúdos mais elaborados como “Planejamento de Ensino” e “Direito Civil: Anulação dos Negócios Jurídicos”.

“Nossa estratégia é criar uma comunidade de autores, para tornar a ferramenta relevante aos usuários. Para isso, estamos oferecendo suporte aos criadores de conteúdo”, diz Lucena, que considera positiva a evolução do Izzui desde o lançamento, em outubro de 2012. No primeiro mês, entraram no aplicativo para se matricular ou publicar treinamentos 2.500 pessoas e, em fevereiro, já são mais de 85.000. A meta é chegar a 300 mil usuários até o fim do ano. Em média 4 novos cursos por semana são publicados no app.

Para alavancar a base de produtores de conteúdo, o Izzui conta com as funcionalidades de multiplicação do Facebook – como compartilhar, curtir, comentar, convidar amigos -, mas também busca parcerias com autores fora da rede social. Um exemplo disso é a página destinada a Renato Grinberg, autor do livro A estratégia do Olho do Tigre, que apresenta 11 cursos, alguns pagos, sobre os principais temas da obra com dicas para obter sucesso na carreira.

Segundo Lucena, levar instituições ou autores já populares para o Izzui é uma maneira de divulgar a ferramenta, para que ela possa cumprir seu objetivo, o de dar espaço a produtores desconhecidos, que além de criar conteúdos podem ganhar algum dinheiro com isso. O aplicativo está ligado à ferramenta de e-commerce Paypal, pela qual os autores podem vender seus cursos. O Izzui, nestes casos, retém 30% do valor. Atualmente, apenas 5% das aulas publicadas são cobradas, com valores médios de R$ 10 a R$ 15. “São cursos pequenos, pílulas de conhecimento, até por conta do perfil do Facebook, afirma Lucena.  O nosso modelo de learning place (local de aprendizagem) na rede social é único e precisa estar adaptado ao tipo de uso que as pessoas fazem dela”, completa.

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *