Cai para 11% o índice de alunos que aprendem o esperado em matemática

G1 – 11/12/14

Um em cada quatro alunos sabe apenas o básico do básico em português.
Prova Brasil revela estagnação no aprendizado no ensino fundamental.

Dados da Prova Brasil 2013 compilados pelo Portal QEdu mostram que o índice de alunos de escolas públicas que terminam o ensino fundamental com nível de aprendizado considerado adequado em matemática foi de 11,2% para os estudantes do 9º ano, índice inferior ao registrado na prova anterior, de 2011, quando a média foi de quase 12%. Já em português, com ênfase em leitura, a prova apresentou uma melhora de 22,2% para 23,6% no índice de alunos com aprendizado adequado.

ÍNDICES DE PROFICIÊNCIAS DOS ALUNOS DE 5º E 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA PROVA BRASIL
PROVA DE MATEMÁTICA (RESOLVER PROBLEMAS)
NÍVEL 5º ANO 9º ANO Proficiência
Abaixo do nível 1 (- de 200 pts) 5,81% 20,41% Insuficiente
Nível 1
(200-225 pts)
9,04% 16,51% Insuficiente
Nível 2
(225-250 pts)
15,19% 19,19% Insuficiente
Nível 3
(250-275 pts)
18,06% 18,90% Básico
Nível 4
(275-300 pts)
17,21% 13,77% Básico
Nível 5
(300-325 pts)
14,35% 7,11% Proficiente
Nível 6
(325-350 pts)
10,12% 2,89% Proficiente
Nível 7
(350-375 pts)
5,91% 0,93% Avançado
Nível 8
(375-400 pts)
2,87% 0,25% Avançado
Nível 9
(+ de 400 pts)
1,44% 0,04% Avançado
ABAIXO DO ADEQUADO 65,35% 88,78%
DENTRO DO ADEQUADO 34,69% 11,22%
Fonte: Prova Brasil 2013; dados compilados pelo QEdu

Nas avaliações para o final do primeiro ciclo do ensino fundamental, no 5º ano, também houve melhora em português (de 36,2% em 2011, para 39,8% em 2013) e matemática (de 32,4% para 34,7%).

As notas dos alunos na Prova Brasil são divididas em dez níveis por escalas de pontos (de abaixo do nível 1 ao nível 9). O Movimento Todos pela Educação redistribui a escala em quatro níveis em uma escala de proficiência: insuficiente e básico (abaixo do adequado), proficiente e avançado (dentro do adequado).

Para o 5º ano, os alunos nos níveis proficiente e avançado são aqueles que obtiveram desempenho igual ou superior a 200 pontos em português e 225 pontos em matemática. Para o 9º ano do ensino fundamental, os alunos nos níveis proficiente e avançado são aqueles que obtiveram desempenho igual ou superior a 275 em português e 300 pontos em matemática.

A média nacional em matemática foi de 242,35 pontos, o que corresponde ao nível 2 da escala da Prova Brasil. Além disso, os números mostraram que 37% dos alunos estão no nível 1 ou abaixo do nível 1, onde é exigido domínio em “números e operações; álgebra e funções; reconhecer o maior ou o menor número em uma coleção de números racionais, representados na forma decimal. Tratamento de informações Interpretar dados apresentados em tabela e gráfico de colunas.” Apenas 1,2% dos estudantes estão no nível “avançado” de matemática.

ÍNDICES DE PROFICIÊNCIAS DOS ALUNOS DE 5º E 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA PROVA BRASIL
PROVA DE PORTUGUÊS (LEITURA)
NÍVEL 5º ANO 9º ANO Proficiência
Abaixo do nível 1 (- de 200 pts) 0,00% 24,25% Insuficiente
Nível 1
(200-225 pts)
24,16% 16,41% Insuficiente
Nível 2
(225-250 pts)
18,33% 18,35% Básico
Nível 3
(250-275 pts)
17,65% 18,06% Básico
Nível 4
(275-300 pts)
15,36% 12,91% Proficiente
Nível 5
(300-325 pts)
11,65% 7,30% Proficiente
Nível 6
(325-350 pts)
10,12% 2,77% Avançado
Nível 7
(350-375 pts)
3,75% 0,60% Avançado
Nível 8
(375-400 pts)
1,38% 0,01% Avançado
Nível 9
(+ de 400 pts)
0,34% 0,00% Avançado
ABAIXO DO ADEQUADO 60,15% 76,41%
DENTRO DO ADEQUADO 39,85% 23,59%
Fonte: Prova Brasil 2013; dados compilados pelo QEduEm português, um em cada quatro alunos termina o ensino fundamental sabendo apenas o nível 1, o mais básico. O índice é de 24,45%. Neste nível, o aluno no 9º ano sabe “reconhecer expressões características da linguagem (científica, jornalística etc.) e a relação entre expressão e seu referente em reportagens e artigos de opinião. Inferir o efeito de sentido de expressão e opinião em crônicas e reportagens”. No total, 76,4% estão abaixo do esperado para esta série.

Melhora discreta
A Prova Brasil e o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) são avaliações para diagnóstico, em larga escala, desenvolvidas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) para avaliar a qualidade do ensino oferecido pelo sistema educacional brasileiro a partir de testes padronizados e questionários socioeconômicos. As médias de desempenho nessas avaliações também são usadas para calcular o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). A prova é amostral, ou seja, não são todas as escolas públicas que participam.

A evolução do índice de alunos com nível adequado nas últimas quatro edições da Prova Brasil, segundo Ernesto Martins Faria, coordenador de projetos da Fundação Lemann, revelam uma desaceleração no crescimento. O índice de matemática para o 5º ano era de 22% em 2007, e agora está em 34,6%. Mas na comparação com 2011, o crescimento foi menos de dois pontos percentuais. Em português, também no 5º ano, o índice foi de 25% em 2007 para 32% em 2009, 37% em 2011, e 39,8% em 2013.

No 9º ano, a situação em matemática é alarmante, segundo o especialista. “Nos anos iniciais do ensino fundamental, apesar de estarmos evoluindo, percebe-se uma desaceleração no índice. E nos anos finais (9º ano), estamos estacionados”, destaca Martins Faria.

VEJA A EVOLUÇÃO DO ÍNDICE DE APRENDIZADO ADEQUADO NA PROVA BRASIL
2007 2009 2011 2013
MATEMÁTICA (5º ano) 22% 30% 33% 34,6%
MATEMÁTICA (9º ano) 9% 10% 12% 11,2%
PORTUGUÊS
(5º ano)
25% 32% 37% 39,8%
PORTUGUÊS
(9º ano)
16% 23% 22% 23,5%
Fonte: Prova Brasil com dados compilados pelo QEdu

O especialista diz que alguns fatores podem influenciar na queda do desempenho dos alunos do 5º para o 9º ano como a mudança de um professor generalista no fundamental 1 para vários professores especialistas, cada um em sua disciplina, no fundamental 2; a mudança de rede municipal para estadual; e a falta de habilidade de professores em lidar com turmas grandes de alunos e saber como auxiliar para que os alunos possam desenvolver aprendizado em matemática como por meio da tecnologia.

Para Alejandra Meraz Velasco, coordenadora-geral do Todos pela Educação, os anos finais do ensino fundamental melhoraram menos do que vinham melhorando, começam a apresentar problemas, praticamente não cresceu ou melhorou o desempenho. E o mais crítico é que no ensino médio os problemas aumentam ainda mais.

“A reformulação do ensino médio é um assunto que está sendo discutido pelo governo federal e pelos estados. Há uma  necessidade de reformulação do ensino médio para manter os jovens na escola”,diz Velasco. “Mas é preciso melhorar as etapas anteriores também.”

G1 procurou o Inep para comentar os dados da Prova Brasil mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Aprendizado em matemática nos estados (Foto: G1)

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *